Ir para o conteúdo
ou

Rede Casa Brasil Digital

Rede Casa Brasil Digital
Goiânia - Goiás - Brasil

Tour de Ajuda

 Ajuda

Posts do blog

Tela cheia
 Feed RSS

Rede

21 de Novembro de 2013, 16:56 , por Desconhecido - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

Premio

Por meio da Rede de diálogos CASA BRASIL DIGITAL o Coletivo Cultural Koskatl promove a conexão de grupos, produtores culturais e instituições formativas com o objetivo de desenvolver produtos, serviços e processos formativos que possibilitem o desenvolvimento local sustentável.

Para tanto desenvolve produtos, serviços e saberes culturais de forma colaborativa em nível local e regional.

Seu portfólio reúne, desde 2005,  a  concepção e  o desenvolvimento de projetos culturais e a  produção de conteúdos multiplataformas com a incorporação de tecnologias digitais em situações aprendizagem que estimulam a exploração, a apropriação e o uso de diferentes meios de linguagem. 

REDE BERRA LOBO - COMUNICAÇÃO E CONHECIMENTO COMPARTILHADOS
Coordenação: Angelita Pereira Lima

NÚCLEO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - NINA/HOSPITAL DAS CLÍNICAS/UFG;
Coordenação: Maria das Graças Nunes Brasil

NÚCLEO DE PSICOLOGIA DA PUC/GO;
Coordenação: Adriana Bernardes Pereira

IDEIA AMBIENTAL E  CULTURAL

POVO KALUNGA – PATRIMÔNIO IMATERIAL
Coordenação: Adriana Parada

HYPER AGÊNCIA DIGITAL
C
oordenação: Ian Castro
 

 

INTEGRANTES 2015:

ADRIANA PARADA

LUISA GUIMARÃES

ANA CLARA BRITTO

MARIA LUIZA COSTA

IAN GABRIEL DE CASTRO

ANGELITA PEREIRA LIMA

MARIA DAS GRAÇAS BRASIL

ADRIANA BERNARDES PEREIRA

GUILHERME AUGUSTO ALCANTARA LOBO


POVO KALUNGA

12 de Novembro de 2015, 0:00, por Rede Casa Brasil Digital - 1Um comentário

viva2 Desenvolvido em parceria com IDEIA AMBIENTAL E CULTURAL, FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA,  REDE CASA BRASIL DIGITAL e o Programa Sopa de Letras: Sopa no Kalunga.              

O projeto buscou construir um elo entre o saber popular e o conhecimento técnico-científico, com o objetivo de incentivar a organização da comunidade, a inclusão social e a inclusão digital, por meio de atividades (produtos, técnicas e/ou metodologias replicáveis) de disseminação e transferência de tecnologia (principalmente social), visando, em médio prazo, o desenvolvimento econômico. Nesse sentido pretendeu contribuir para a definição de uma estratégia de valorização econômica dos recursos culturais e endógenos.

mapa_kalungaPROJETO “O POVO KALUNGA – PATRIMÔNIO IMATERIAL” – Chancelado pelo Ministério da Cultura, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e pela Biblioteca Nacional foi patrocinado pela Petrobrás Cultural dentro da linha de financiamento de Preservação e Memória – Patrimônio Imaterial.

Foi considerado um PROJETO DE PESQUISA TECNOLÓGICA porque em parceria com os diversos agentes sociais envolvidos, concentrou esforços para a definição de um modelo de desenvolvimento econômico sustentável para o território em questão.

Foi considerado um PROJETO DE PESQUISA CIENTIFICA porque estruturado sob a metodologia do Enfoque do Marco Lógico (usada pelas organizações de Cooperação Internacional que atuam no Brasil), definiu como meta uma leitura crítica da situação, dos recursos, problemas e potencialidades locais, feita pela própria comunidade, que foi envolvida em todas as etapas de desenvolvimento do projeto como uma estratégia de formação. Esse aprendizado possibilitou a apropriação individual e coletiva de conhecimentos que, utilizados dentro da realidade da comunidade, se tornem significativos culturalmente. O processo de construção de significados foi importante, pois propiciou um desenvolvimento em escala e a continuidade autônoma do grupo.

Foi considerado ainda um PROJETO DE PESQUISA DE INOVAÇÃO porque propôs a conciliação das TICs com o “saber-fazer” tradicional, de modo a gerar produtos com alto valor acrescentado, bem como organização da comunidade em torno de um objetivo comum, apoiando efetivamente ações de sustentabilidade e produção, de modo a criar uma dinâmica forte.

RESULTADOS OBTIDOS E TRANSFORMADOS EM PRODUTOS MENSURÁVEIS:

  • Produção de 20 curtas para web, totalizando 70 minutos de filme;
  • Produção de nove Spots de Rádio com depoimentos sobre a cultura Kalunga;
  • Finalização do documentário “O Povo Kalunga” (20 min);
  • Finalização do CD Rom Multimídia;
  • Ações de capacitação da população local no uso das TIC ́s;
  • Ações de divulgação do projeto;
  • Ações de interlocução com o poder público;
  • Planejamento de ações de continuidade;

cd_kalunga



SOPA DE LETRAS - PRODUÇÃO CULTURAL

4 de Novembro de 2015, 0:00, por Rede Casa Brasil Digital - 1Um comentário

moldura_sopa

O Projeto Sopa de Letras iniciou suas ações em 2004, como um programa de rádio infantil criado com a intenção de despertar o prazer pela leitura. Estruturado como um trabalho pedagógico – sempre com a intermediação do computador – considera a comunicação como instrumento de inclusão social e se fundamenta na leitura como elemento propulsor.

O projeto se insere em uma área de pesquisa que diz respeito às TICs e seu uso voltado às transformações sócio-econômicas e culturais. A interdisciplinaridade prevista, ao relacionar as áreas de educação, comunicação e ciências da informação, resulta em um projeto educativo, tanto pelo conteúdo que veicula quanto pelo formato apropriado ao meio de comunicação radiofônico.

Vencedor Nacional do II Prêmio Telemar de Inclusão Digital

Em 2005, com um acervo de 20 programas gravados, o Sopa de Letras foi o VENCEDOR NACIONAL DO II PRÊMIO TELEMAR DE INCLUSÃO DIGITAL - CATEGORIA UNIVERSIDADES. O Prêmio foi criado como forma de reconhecimento e estímulo às pessoas e organizações empenhadas em gerar novas oportunidades de acesso ao conhecimento e à cidadania para os brasileiros.

Para viabilização, sustentabilidade e continuidade de suas iniciativas  o Sopa de Letras  estabeleceu parcerias institucionais e com organizações da sociedade civil. Desta forma ampliou suas ações, tendo como objetivo oportunizar o desenvolvimento de projetos culturais - com foco na leitura - pelo público infantil, adolescente e jovem em processo de vulnerabilidade social.

O Sopa de Letras  parte do referencial que a inclusão das tecnologias digitais no processo de construção de conhecimento e formação por meio da leitura/escrita deve ter um caráter emancipatório, oportunizando atividades e processos democráticos de exercício de autonomia de idéias e ações.   Para tanto, entre os anos 2006 e 2008 propôs ações continuadas para  formação de leitores autônomos por meio de técnicas e  metodologias de fortalecimento de práticas de leitura em espaços não formais como assentamentos, comunidades tradicionalmente excluídas e centros comunitários.

Foi destaque na Revista Panorama Editorial, produzida pela Câmara Brasileira do Livro (CBL).

O projeto apresentou como resultados a efetiva formação de neo-leitores (crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos) complementada com atividades de intercâmbio  cultural o que possibilitou o enriquecimento da experiência dos participantes e a visibilidade de suas práticas sociais e diversidade cultural.

Em 2008 e 2009 o Sopa de Letras foi considerado DESTAQUE NACIONAL PELO PLANO NACIONAL DO LIVRO E LEITURA – PNLL, SOB O EIXO DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO.  Foi considerado um projeto de pesquisa de inovação porque propôs a conciliação das TICs com o "saber-fazer" tradicional, organizando as comunidades em torno de um objetivo comum, desenvolvendo, efetivamente, atividades de  acesso ao livro,   à leitura  e a realização de produções fonográficas de qualidade.

BENEFÍCIOS PROPORCIONADOS PELOS PROJETOS À COMUNIDADE:

FORMAÇÃO E EXTENSÃO FOMENTO À LEITURA E À FORMAÇÃO DE MEDIADORES

Atividades: FORMAÇÃO DE MEDIADORES DE LEITURA E DE EDUCADORES LEITORES

Metodologia: Formulação e aprimoramento de técnicas de facilitação do acesso à informação e à produção do saber, incluindo capacitação continuada para melhor aproveitamento das tecnologias de informação e comunicação.

PROJETOS: Foram realizadas oficinas de produção fonográfica em que os participantes do projeto atuaram como co-autores durante todo o processo (definição dos temas, realização de pesquisa literária e fonográfica, criação do roteiro, interpretação das histórias, realização de entrevistas e locução). Como resultado cada núcleo de atuação teve membros da comunidade capacitados para criar suas próprias produções fonográficas de acordo com sua dinâmica própria, seus conhecimentos e referências. Esse processo estimulou a criatividade, potencializou os desejos e criou situações de motivação e participação.

produto_2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

produto_7

PROMOÇÃO DO ACESSO À LEITURA AOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA VISUAL  Atividades: Oficina de produção de audiolivro - instrumento de inclusão social que estimula à imaginação,  à criatividade e incentiva à leitura. Metodologia: Melhoria do acesso ao livro e a outras formas de expressão da leitura com a Incorporação e uso de TIC´s. PROJETO:  Produção Fonográfica MARIA DENGOSA

REGISTRO E MEMÓRIA Fortalecimento das identidades culturais e constituição de acervo de produção territorial de preservação de memória. Foram realizadas em 2008 e 2009 atividades de capacitação na comunidade quilombola Kalunga, para a utilização das TIC´s na produção fonográfica em web rádio. Realizado em Parceria com o Projeto O Povo kalunga – Patrimônio Imaterial apresentou como resultados a efetiva formação de neo-leitores (jovens, adultos e idosos).

produto_1

ACESSO À PRODUÇÃO DE BENS CULTURAIS Disponibilização de produtos culturais por meio de mídias digitais (Website, e plataformas de divulgação de conteúdos).

Entre 2010 e 2012 a atividade “CALDEIRÃO DE IDÉIAS” desenvolveu material cultural e pedagógico em oficinas de capacitação com uma estratégia metodológica de criação de vínculos entre o saber local das comunidades periféricas e o fazer literário, como representação do saber global. Produz material pedagógico: programas de rádio web, produções multimídia, cartilhas e livros digitais.

O Caldeirão de Ideias é um projeto de incentivo a Leitura que inclui os participantes no processo de criação, mediação e veiculação de produtos culturais, multiplicando seus benefícios por meio de oficinas. Selecionado pela PremiaçãoTodos Por Um Brasil de Leitores o projeto busca ampliar o acesso à leitura e aos bens culturais, replicando em mais larga escala a experiência bem sucedida de sua primeira fase com o Programa Sopa de Letras.

PREMIAÇÃO

Têm como público alvo jovens, adultos e idosos neo leitores que ainda não desenvolveram plenamente suas habilidades e competências de leitura e escrita. A metodologia incorpora as tecnologias digitais em situações de aprendizagem, estimulando a exploração, a apropriação e o uso de diferentes meios de linguagem no ato de aprender. Para tanto utiliza a leitura como um fio condutor e oportunizará atividades de forte e permanente estímulo à leitura.



Tags deste artigo: Casa Brasil Digital Adriana Bernardes Pereira GUILHERME AUGUSTO ALCANTARA FERNANDA GARCIA ALVES FIGUEIREDO Caldeirão de Ideias Produção de Conteúdos Produção Cultural Jornalismo Cultural