Ir para o conteúdo
ou

Este perfil não tem posição geográfica registrada.
 Voltar a Meio Ambiente
Tela cheia Sugerir um artigo

VERGONHOSO!

3 de Maio de 2015, 0:00 , por Thiago Henrique Ferreira Zoroastro - 1Um comentário | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 16 vezes
Licenciado sob CC (by)

Obra parada de refinaria da Petrobras gera prejuízos financeiro e ambiental

  • Divulgação/Fonte UOL

    Parte da área que foi aterrada para construção de uma refinaria da Petrobras no Maranhão

    Parte da área que foi aterrada para construção de uma refinaria da Petrobras no Maranhão

A desistência da Petrobras de construir a maior refinaria do país trouxe não só prejuízo social e financeiro, como deixou um extenso dano ambiental e preocupação aos municípios de Bacabeira (61 km de São Luís) e Rosário (69 km de São Luís), no Maranhão.

Uma área área equivalente a 250 campos de futebol foi recebida pela empresa e preparada para receber a refinaria Premium 1. Mas após tirar moradores, destruir a vegetação e a área virar um "deserto", o local ela será devolvido ao governo do Estado.

Segundo números oficiais, desde 2008 a Petrobras investiu R$ 1,82 bilhão (cerca de R$ 2,3 bilhões valores atualizados). No período, apenas a preparação do terreno foi feita. Foi justamente a terraplanagem que tornaram a área hoje imprestável para a agricultura.

"Para estabilizar o solo, eles colocaram muito calcário na terra, e ele corre para os riachos. Tiraram também e vegetação nativa, hoje só tem capim numa área imensa. Todos os animais que estavam nessa área fugiram ou morreram. Os igarapés estão aterrados, os peixes morreram", disse o presidente do Comitê de Meio Ambiente de Rosário, Joaquim Francisco de Sousa.

Para construir a refinaria, a Petrobras precisou retirar famílias que viviam na região, e a terraplanagem destruiu grande parte da vegetação. O aterramento também causou danos aos riachos da região. É em Rosário que os danos ambientais mais graves podem ser vistos.

No município, cerca de 100 famílias foram retiradas para as obras. Quem era agricultor na região foi morar em duas agrovilas, que --segundo os moradores-- não possuem estrutura adequada.

"Tiraram três povoados instalados em uma área boa, cheia de igarapés, córregos. Agora, a região sofre não somente com a erosão, como a área virou um deserto. A tendencia é virar área de desertificação e ficar só com um capim rasteiro", disse Sousa.


Categorias

Educação ambiental, Infrações ambientais, Ambientes ocupados pelo homem, Gestão de meio ambiente

1Um comentário

  • Pict0042 minorThiago Henrique Ferreira Zoroastro
    3 de Maio de 2015, 16:17

    Por que não empregar pessoas para recueprar a área?

    Já que a merda está feita, provavelmente terão técnicos de meio ambiente que poderiam ser EMPREGADOS para corrigir esse erro de vocÊs!!


Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.