Ir para o conteúdo
ou

 Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Democracia em disputa: quem tem medo de mais participação social?

29 de Outubro de 2014, 17:20 , por Ana Célia Costa - 1Um comentário | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 46 vezes

Fonte: UNE

O Plenário da Câmara dos Deputados anulou nesta terça-feira (28/10) o decreto presidencial que criou a Política Nacional de Participação Social, com diversas instâncias para que a sociedade influencie as políticas públicas. A proposta precisa de aprovação no Senado para o decreto perder validade.

O decreto que no final de maio deste ano instituiu a Política Nacional de Participação Social (PNPS) e o Sistema Nacional de Participação Social (SNPS) causou grande resistência nos meios de comunicação e setores conservadores que chegaram a taxar a iniciativa até mesmo de ‘golpe’.

Na época, a UNE se pronunciou em nota sobre o assunto, afinal quem tem medo da democracia?

Na prática, o decreto n° 8243/14, instituía diversos conselhos e conferências para que a sociedade civil participe da formulação de políticas públicas e execução através de Conselhos, mesas de negociação e Conferências Nacionais. A atuação dos Conselhos já é prevista pela Constituição Federal, a iniciativa iria reforçar o papel destes conselhos já existentes para que possam contribuir efetivamente com as políticas públicas e aumentar o ativismo da população na vida política do país. Segundo o decreto, os conselhos devem ser ouvidos “na formulação, na execução, no monitoramento e na avaliação de programas e políticas públicas e no aprimoramento da gestão pública”.

Estes conselhos já existentes não são controlados pelo governo, e são compostos por representantes de entidades e movimentos representativos de sua área. São organizações capazes de estreitar a relação entre o governo e sociedade civil, como o Conselho Nacional de Educação, Conselho Nacional de Juventude, Conselho Nacional de Saúde. Existem conselhos sobre segurança pública, trabalho, drogas, previdência entre muitos outros. Alguns têm caráter normativo, que reinterpreta as normas vigentes bem como também e as cria e outros são meramente consultivos.

A presidenta da UNE, Vic Barros, questiona: “quem teria interesse em barrar iniciativas para que o Estado brasileiro se abra para o povo? A inserção de uma maior participação social não é a chave para aumentar representação da população no nosso governo?”

E continuou: “estivemos nas ruas nas jornadas de junho clamando por mais direitos e ficou evidente a urgência de uma maior atuação dos cidadãos comuns na administração do nosso país. Participação e transparência são passos importantes na consolidação de nossa democracia. Essa medida da Câmara está indo contra os interesses da população e lembra que ideias autoritárias, herança da ditadura militar, ainda vigoram em nossa sociedade.”.

A UNE divulgou uma nota hoje sobre o veto ao decreto. Leia abaixo:

 

Nessa terça-feira (29/10) foi barrado na Câmara dos deputados o decreto n° 8243/14 que visa implementar política nacional de participação social. A PNPS é um instrumento que visa aprofundar a participação popular com o objetivo de amadurecer a nossa democracia a partir de conselhos com a sociedade civil organizada.

Lamentamos a decisão, de viés conservador, da Câmara dos Deputados que barrou o decreto. O Brasil vive um momento especial de sua democracia com a consolidação de suas instituições. É necessário avançar para nos desvencilhar de vícios autoritários que ainda persistem. Nesse sentido, ampliar a participação popular, como pilar fundamental da nossa cidadania, é estratégico na consolidação do Estado Democrático de Direito, bem como na reforma política que se faz tão necessária hoje.

União Nacional dos Estudantes


Categorias

Governo e Política
Tags deste artigo: política nacional de participação social pnps participação social no brasil câmara dos deputados une

1Um comentário

  • Foto jbc minorJOÃO BATISTA CAVALCANTI
    29 de Outubro de 2014, 22:28

    A PARTICIPAÇÃO SOCIAL FORTALECE A DEMOCRACIA

    A sociedade civil de todo o Brasil precisa se articular em defesa do Decreto 8.243/2014,a Câmara dos Deputados traiu os interesses da maioria do povo brasileiro.
    Att,
    João Batista Cavalcanti
    Limoeiro - PE


Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.